Oportunidades de investimento

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) publicou um estudo que identifica 48 empreendimentos-chave que permitem promover o desenvolvimento, particularmente nos setores em que o Estado goza de vantagens naturais. Eles representam um potencial de investimento de quase R$ 30 bilhões ao longo da década e geração de cerca de 250 mil postos de trabalho entre empregos diretos, indiretos e aqueles originados do efeito-renda.

Quatro projetos-âncora possuem entre si sinergia e impactos multiplicadores (ver detalhes nas páginas 82-85).

Gasoduto TransCatarinense

Percorrerá Santa Catarina no sentido Oeste-Leste, juntando-se com o gasoduto Bolívia-Brasil, já existente, na altura do município de Joinville. Seu primeiro impacto será viabilizar um volume maior de geração térmica no Estado. Várias atividades industriais – em especial os setores agroindustrial, cerâmico, vidreiro, metalomecânico e um possível polo gás-químico – serão potenciais beneficiárias da chegada do gás natural.

Ferrovia TransCatarinense

A proposta para construção de uma ligação ferroviária do interior até o litoral do Estado justifica um estudo de viabilidade por diversos fatores, como a volta paulatina do transporte de cargas em razão dos ganhos de eficiência promovidos pelos concessionários privados; a crescente pujança econômica do interior do Estado e a promessa de maiores volumes de carga pesada a longo prazo, principalmente de madeira e derivados, provenientes do crescimento do reflorestamento. A Ferrovia TransCatarinense será, potencialmente, trecho integrante da Ferrovia Bioceânica, um ambicioso projeto de integração continental.

Complexo Portuário da Babitonga

(Porto de São Francisco do Sul e Porto de Itapoá)
O crescimento da carga internacional no Sul/Sudeste do Brasil revela forte demanda para serviços de movimentação de contêineres. À medida que a cabotagem retoma sua eficiência, essa demanda deve crescer ainda mais. Existem planos privados para desenvolver, em amplas áreas do lado Norte da Baía Babitonga – no município de Itapoá –, um moderno terminal com infraestrutura para atividades industriais. A médio e longo prazo, os portos de São Francisco do Sul e Itapoá serão destinos opcionais dos corredores rodoferroviários de exportação vindos do interior.

RefloreSC - Reflorestamento em Escala Comercial

Santa Catarina possui excelentes vantagens naturais para a prática do reflorestamento de espécies do gênero Pinus, para uso na fabricação de papel e celulose. O Estado tem condições de se tornar um dos principais polos nacionais fornecedores de matéria-prima florestal, com possibilidade para atender todos os integrantes da cadeia produtiva do setor madeireiro. A meta do projeto é aumentar em um milhão de hectares, ao longo de 20 anos, a área reflorestada, em um ritmo de aproximadamente 50 mil hectares por ano.

Outras oportunidades de investimento identificadas pela Fiesc incluem, no setor de energia, pequenas centrais hidrelétricas e usinas termelétricas a gás natural, carvão e biomassa. Os agronegócios oferecem boas perspectivas em agricultura orgânica; desidratação de cebola; leite e laticínios; beneficiamento de maçã; móveis, papel e celulose, painéis de madeira; pesca e maricultura; silos e armazéns; vitivinicultura. No setor de serviços há oportunidades para a construção de terminais de cruzeiros marítimos, marinas; turismo ecológico, rural, étnico, de inverno, de terceira idade e outros. A infraestrutura de portos, aeroportos, ferrovias e o transporte marítimo urbano de Florianópolis também representam boas oportunidades para empreendedores.